Moradores indignados com hidrômetro único

Marcelo Coutinho, Paulo Gonçalves e Marcelo Duarte: descontentamento por decisão tomada pelo Sanear

O Serviço de Saneamento Ambiental de Rondonópolis (Sanear) quer instalar hidrômetro único no Residencial Terra Nova, onde já possuem 714 ligações nas residências do local, inaugurado em 2008, ao lado do bairro Colina Verde. Moradores estão indignados com a situação. Com a medida, todo o serviço de aferição do consumo e manutenção das redes de água e esgoto passará a ser de competência da administração do residencial, o que elevaria o valor da taxa de condomínio dos proprietários. ´

Diante da decisão do Sanear, os moradores estão organizando um manifesto na frente do escritório do Sanear, no bairro Monte Líbano. A informação foi repassada ontem pelo síndico do residencial, Paulo Ricardo Gonçalves, por Marcelo Augusto Coutinho, presidente do Conselho Fiscal e o morador Marcelo Duarte, que procuraram o A TRIBUNA para expor o problema.

“Esta decisão do Sanear contraria os princípios estabelecidos e firmados pelo próprio Sanear ainda na construção do residencial, onde todas as moradias teriam seu hidrômetro. Hoje, cada casa tem seu hidrômetro e as cobranças são separadas. Porém, neste ano, a autarquia decidiu suspender os seus serviços dentro do residencial e nos informaram que seria instalado hidrômetro único e a parte de medição e a manutenção das redes de água e esgoto ficaria para os moradores. Essa condição fica inviável, uma vez que não possuímos os equipamentos e serviços que o Sanear tem. Em caso da contratação de um serviço terceirizado para a manutenção das redes e leitura dos hidrômetros, a taxa de condomínio teria um aumento assustador, chegando até ao valor das parcelas que os moradores pagam de seus imóveis financiados, que em média é de R$ 400,00. Hoje, a taxa de condomínio do local que é de moradores de classe média baixa, é de R$ 110”, disse o síndico Paulo Gonçalves.

Ele explicou que se reuniu com os representantes do Sanear, há 30 dias, e eles alegaram que na administração municipal de 2008 cometeu um erro onde a ligação do residencial deveria ser única, como ocorre nos condomínios verticais, ou seja, nos edifícios. “O Terra Nova é um residencial horizontal que foi planejado para que cada casa tenha seu hidrômetro. A sua estrutura é diferente de um edifício. O nosso residencial é um bairro como qualquer outro, a diferença é que é cercado. Por que a ligação da rede tem que ser diferenciada? No dia 13 passado, nós reunimos em assembleia com os moradores e todos foram favoráveis a uma ação judicial para garantir o direito dos moradores quanto ao abastecimento de água do residencial”, explicou.

De acordo com o morador Marcelo Duarte, o rateio do valor da conta, em caso de uma hidrometração única, seria uma saída para o problema, porém a maioria dos moradores não aceita, sendo que, o consumo de cada família é diferenciado, umas gastam mais e outras menos. “Existem moradores que têm piscina, lavam carros constantemente e suas calçadas, enquanto outros gastam pouco. Um morador que gasta pouco não quer pagar a conta do outro que gasta muito em caso de divisão da conta única”, informou.

Com a instalação de um hidrômetro único no residencial, o Sanear quer ficar isento dos serviços públicos de manutenção das redes de água e esgoto, porém além de cobrar pelo consumo da água, ainda cobrará 90% a mais do valor da conta pela coleta do esgoto. “Caso o residencial contrate uma empresa terceirizada para medição dos hidrômetros e serviços de manutenção das redes, além de elevar a taxa de condomínio, estaremos pagando pelos mesmos serviços duas vezes”, disse Marcelo Coutinho.