Carioca busca alternativa para reduzir consumo de água em condomínios

Morador de condomínio armazena água de chuva para regar jardim. Em prédios residenciais, hidrômetro individual auxilia no controle

A preocupação com o risco de falta de água tem levado muita gente a procurar alternativas para reduzir o consumo. No Rio, tem consumidor armazenando água da chuva para usar no jardim e na limpeza de áreas externas. Em duas caixas, o morador consegue armazenar 6 mil litros de água.

Em um prédio no Méier, Zona Norte da cidade, os banheiros do playground receberam torneiras automáticas, com fluxo controlado da água. E o morador de cada apartamento comunica na portaria quando identifica vazamento no imóvel. No fim do mês, o consumo total do condomínio fica exposto no elevador.

Saber quanto se gasta é fundamental para planejar economia da água. O hidrômetro, aparelho que registra a quantidade de água consumida, é o indicado para fazer esse controle. Ele permite uma economia média de 40%, porque incentiva a redução do consumo.

Uma lei municipal determina que todos os prédios que forem construídos a partir de 2011 devem ter medidores individuais. Isso impede que o morador que economiza água em um prédio pague o mesmo valor do vizinho que desperdiça.

O Sindicato da Habitação do Rio de Janeiro calcula que a instalação de hidrômetros individuais nos prédios novos fica entre R$ 300 e R$ 500 por apartamento. Já a adaptação em edifícios antigos tem que ser avaliada caso a caso. Dependendo do tipo de construção e das tubulações, as despesas podem variar de R$ 400 a R$ 5 mil por apartamento.
TAG