Fechamento com vidro é febre entre os condomínios

Virou moda. Em todos os bairros da cidade, é comum encontrar prédios novos ou reformados, que tiveram em seus projetos a inclusão do muro ou de fechamento de varanda em vidro

A opção pelo material embeleza e valoriza o prédio, que fica sempre com “cara” de novo. O vidro é fácil de ser instalado, quase não exige manutenção e tem longa durabilidade.

Segundo o proprietário da Vidraçaria Ramalho, Aluizio Rodrigues Ramalho, a onda dos vidros como opção de substituição dos tradicionais materiais para muros e fechamento de varadas e áreas privativas começou na Europa. Ele lembra de ter ido a uma feira na Itália, há cerca de cinco anos e percebido que a novidade estava se espalhando pelo país. Ele afirma que no Brasil, a demanda pelo fechamento com vidro começou a aumentar também nesta época e hoje, até os condomínios antigos optam pelo material quando vão fazer reformas.

De acordo com Aluizio, a instalação dos vidros é simples. “O tubo de aço, que vai dar sustentação ao acabamento é aterrado no concreto para segurar a peça. O acabamento é feito com alumínio encaixado”, explica. O muro normalmente é feito com o vidro temperado. O mais comum é a utilização da cor verde, mas também pode ser encontrado fumê e branco.

A manutenção também é simples. Segundo Aluizio, basta fazer a limpeza do vidro, que sem bem cuidado, dura décadas. Ele também diz que o material é resistente e quando quebra, se estilhaça como vidro de carro. Ele acredita que esta característica traz segurança também pelo barulho. “Quando alguém consegue quebrar o vidro, o barulho é muito alto. Chama a atenção. Se for ladrão, ele é descoberto”, afirma.

Mas, a versatilidade, a beleza e a segurança das estruturas de vidro tem um preço bastante salgado. “O preço acaba fazendo com que a maioria dos condomínios que optem por colocar o vidro seja de classe média alta. Mas vale a pena, porque valoriza muito”, acredita ele.

Beleza – A utilização do fechamento de vidro valoriza, principalmente, áreas comuns que tenham jardim. Eles ganham visibilidade, favorecendo um projeto paisagístico, o que agrega valor ao edifício. Além disso, quando utilizado em varandas, proporciona mais um ambiente, conforme explica a decoradora da Associação Mineira de Decoradores, Jacqueline Salomão Viana. “Como estes vidros abrem totalmente, a varanda pode ser usada como tal ou como ambiente com sofás, televisão, etc. A cortina de vidro, além de evitar poeira e chuva, ajuda também na segurança”, diz ela.

Outra vantagem do guarda corpo de vidro é que ele preserva o conjunto arquitetônico do edifício. “A opção do vidro é principalmente a transparência, não modificando ou interferindo nas fachadas”, afirma Jacqueline. A decoradora explica ainda, como escolher a cor do vidro para manter a construção harmonizada. “Geralmente o tom dos vidros seguem os colocados nas esquadrias do imóvel. Mesmo o vidro transparente tem um pouco de verde dependendo da espessura”.

Como escolher o material correto

Para saber qual tipo de vidro e de instalação mais apropriados para o prédio, é preciso consultar uma empresa especializada no assunto. Na maioria dos casos, as construtoras terceirizam este serviço. É junto com a vidraçaria que as empresas de construção e reforma projetam as instalações.

Segundo o proprietário da Vidro Valle, Charles Catalans, os vidros mais utilizados são os planos, de espessura de 4mm até 10mm. Existe um tipo de vidro para cada finalidade, como guarda-corpo, teto, box, piso, e janela. Ele explica como é avaliada a instalação. “Geralmente é medido o vidro e avaliado o grau de dificuldade. Retiramos os vidros antigos e colocamos os vidros novos. Geralmente a construtora ou o síndico ligam para a empresa solicitando orçamento”, diz ele.

Com relação ao preço, Charles afirma que o valor compensa o investimento. “A instalação não é cara, geralmente o vidro é cobrado por m2. O vidro pode ser colocado em qualquer prédio e dependendo do mesmo, valoriza o empreendimento, principalmente se for vidro refletivo”, conclui.
TAG