Escassez de água faz Adasa anunciar medidas de redução de consumo no DF

Principal reservatório de abastecimento de Brasília, Barragem do Rio Descoberto atingiu o mais baixo nível da história de sua capacidade na tarde desta sexta-feira (16) e colocou Brasília em estado de alerta

A escassez de chuvas em Brasília levou a Barragem do Rio Descoberto a atingir o nível mais baixo de sua história. O reservatório responsável por abastecer 65% do Distrito Federal estava com apenas 40% da capacidade até às 14h35 desta sexta-feira (16). A medição é feita desde 1989. O ideal é que ele se mantenha acima de 60% de seu volume útil.

Por isso, a Agência Reguladora de Águas, Energia e Saneamento Básico do Distrito Federal (Adasa-DF) declarou estado de alerta por situação crítica de escassez hídrica para a capital do País. Na tarde de hoje, o diretor-presidente da agência, Paulo Salles, assina a Resolução nº 15, de 2016, que recomenda medidas a fim de assegurar a manutenção dos recursos neste fim de ano.


Para minimizar os efeitos da estiagem, a Adasa começou a adotar medidas de racionalização do consumo, como intensificar as campanhas educativas e aumentar a fiscalização para coibir captação ilegal de água. A resolução apresentada nesta sexta determina suspender a emissão de autorizações para uso dos recursos hídricos superficiais, ou seja, para fins que não sejam extremamente necessários, e orienta a população do DF a evitar o uso de água tratada para lavar carros, garagens, para irrigação paisagística e encher piscinas.

A redução da pressão dinâmica das redes de distribuição de abastecimento nas redes de distribuição, das 22 horas às 5 horas do dia seguinte, é outra alternativa que pode ser tomada para forçar a queda no consumo na cidade.

No reservatório de Santa Maria, o segundo maior do DF, a situação também é preocupante. Nesta quinta-feira (15), ele apresentava 50,35% da sua capacidade. Para reduzir os impactos da estiagem, uma outra resolução, a de número 13, de agosto de 2016, da Adasa, estabelece ações que podem ser tomadas durante os estados de atenção e de alerta, como controlar a distribuição de água por tempo e em locais determinados.
"Se cada um reduzir o seu consumo, vamos conseguir chegar ao período de chuvas sem a necessidade de adotarmos medidas mais rigorosas."Paulo Salles, diretor-presidente da Adasa-DF

Durante os estados de alerta ou de atenção, a fiscalização para evitar a captação clandestina de recursos hídricos também deve ser incrementada.

O diretor-presidente da Adasa confirma que a situação é delicada e pede a contribuição efetiva dos brasilienses para economizar. “Se cada um reduzir o seu consumo, vamos conseguir chegar ao período de chuvas sem a necessidade de adotarmos medidas mais rigorosas”, convoca Paulo Salles.
Último ciclo de chuvas é o 4º menor desde 1978

Os 86 dias sem chuva em Brasília em 2016 — de 17 de maio a 11 de agosto — contribuíram para a redução dos níveis dos reservatórios que abastecem a cidade. Levantamento da Caesb mostra que o ciclo de chuvas de 2015-2016, na região onde fica a Barragem do Rio Descoberto, é o quarto menor de uma série histórica que começou a ser medida em 1978-1979. O ciclo sempre tem início em setembro de um ano e acaba em agosto do ano seguinte.

O chefe da previsão do tempo do Instituto Nacional de Meteorologia (Inmet), Luiz Cavalcanti, explica que as altas temperaturas computadas em setembro — a quarta-feira (14) registrou o dia mais quente do ano, com 34º e 15% de umidade relativa do ar — intensificam a evaporação da água, o que acelera a redução das bacias que abastecem o Distrito Federal. “Diante de um longo período de secura, a atmosfera busca água onde tiver, e a evaporação de rios e bacias se torna muito mais intensa”, destaca.
"Diante de um longo período de secura, a atmosfera busca água onde tiver, e a evaporação de rios e bacias se torna muito mais intensa."Luiz Cavalcanti, chefe da previsão do tempo do Instituto Nacional de Meteorologia

As poucas precipitações no período e o aumento no consumo de água pela população nos últimos anos impactaram diretamente no esvaziamento das bacias. Pelas projeções da Caesb, o DF deve chegar ao fim de 2016 com o consumo de 183 milhões de metros cúbicos de água — o maior dos últimos sete anos. Em 2015, foram 181 milhões de metros cúbicos. Em 2010, mediram-se 150 milhões de metros cúbicos.

Para diminuir o desperdício de água na capital do País, a Caesb está substituindo as redes dos Lagos Sul e Norte. Os técnicos da companhia instalam novas válvulas redutoras de pressão, o que evita vazamentos. “É um trabalho com resultado extremamente relevante, pois vamos evitar a perda excessiva de água nas nossas redes”, diz o presidente da Caesb, Maurício Luduvice.

Ocupações irregulares influenciam na perda de recursos hídricos
Nível baixo de água na Barragem do Descoberto levou Adasa a decretar estado de alerta. Foto: Tony Winston.

A falta de água verificada nos principais reservatórios do DF é explicada por outro fator: as ocupações irregulares do solo. Além de afetar mananciais importantes e destruir extensas áreas de vegetações, pessoas que erguem moradias sem a anuência do poder público se valem da captação clandestina de água nas redes da Caesb. Por isso, as ações do governo de Brasília contra a grilagem de terras visam garantir também a preservação dos recursos hídricos. Desde o início de 2015, a Agência de Fiscalização do Distrito Federal (Agefis)recuperou mais de 6,1 milhões metros quadrados de áreas públicas.


A falta de investimento público nos últimos anos em sistemas para aumentar a capacidade de armazenamento e distribuição de água também concorreu para a situação crítica. A última grande obra de captação no DF ocorreu há 16 anos, com a construção da Bacia do Pipiripau. Nos próximos dias, uma intervenção de vulto começará próximo à saída do Parque Nacional de Brasília, com a construção do subsistema do Bananal, reservatório que terá capacidade para fornecer água a cerca de 170 mil moradores do Plano Piloto, Cruzeiro e Lago Norte. O investimento será de R$ 20 milhões.
TAG